janeiro 20, 2009

Foi assim...

Lembra que eu disse lá no dia 03 de novembro?

"Tantas coisas aconteceram desde meu último post...

Mais coisas ruins que coisas boas, porém este é assunto para um outro post." ?
Então, hoje vou contar um pouquinho...
Quem visitou minha casinha desde o começo, sabe que existiam alguns planos... Em setembro do ano passado eu passaria a ter a minha própria casinha, lembra? Mas nem tudo é como a gente quer, né? Após oito anos e tralálá de namoro, prestes a completar dois de noivado o relacionamento acabou.
Terminei porque eu queria casar de verdade... Igreja, vestido e festa!
Ele não. Ele queria morar junto para fazer um "test drive" antes e depois pensar neste assunto.

Depois quando?

Avaliei como estava me sentindo, se queria mesmo fazer isto e percebi que não podia viver em função do que o "outro" quer, planeja ou acha importante, descobri que estava me sentindo diminuída, triste e não amada. Por que lá no fundo esperava que isto fosse tão importante prá ele quanto prá mim. Sei a pessoa que fui prá ele durante "estes anos".

Digo isto porque oito anos são oito anos, diga-se de passagem como eu mesma disse para ele, oito anos é o tempo que um feto leva para virar aluno da primeira série escolar.

Tudo acabou em maio do ano passado e eu ainda não estou completamente "curada", nem engatei um novo relacionamento. É muito difícil recomeçar, reescrever planos, repensar onde quer viver, redescobrir a vida sozinha. Principalmente quando você sai de um relacionamento bom e saudável sem que o motivo do término seja uma traição, quando ainda existe amor dos dois lados. Muito difícil. Triste.

Ai tem aquela...

Quando termina e a gente tá tentando superar, não existe nada pior que manter contato, pois este contato por mais bem intencionado, acaba se transformando em brigas, discussões, indiretas, etc... E a última coisa que precisamos quando estamos curando algo é que alguém cutuque mais a ferida, pois sempre que mexemos ela sangra e regride o processo de cicatrização. Isto serve para os dois lados, não só para nós (tenho vários amigos homens e sei que os "bichinhos" também sofrem). Eu volta e meia esbarrava com ele no msn ou por e-mails, ou nos encontrávamos para conversar, mas quase sempre acabava mal. Na última vez que conversamos, acabamos discutindo e isto machucou tanto a mim quanto a ele, então eu decidi excluí-lo do meu msn, desde então não nos falamos mais.
Só que o danadinho me mandou um e-mail de duas linhas há umas duas semanas, escreveu um versinho que nós aprendemos numa mostra de poesia lá em Florianópolis, quando fomos juntos em 2004, e por mais que eu tenha meio que ignorado, a ferida abriu...

Santo poder de um email!

Por hoje é só!


P.S.: A todos que visitam este blog gostaria de avisar que exclui todas as postagens anteriores a esta, referentes ao Sr. Ex e ao nosso relacionamento. Acho que não faz mais sentido, né? Se eu tiver vontade de escrever sobre mim e sobre os meus sentimentos, vou escrever, afinal tudo aqui é sentimento... Espero que me compreendam. Obrigada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

fico feliz quando leio o seu recadinho...
obrigada!