dezembro 12, 2012

significados

théo
Em grego é Deus...
Que tem sido a razão de eu ainda estar aqui...
Meu amparo, meu conforto, minha força e minha esperança.

dor
A dor é temporária...
Mesmo que dure mais que gostaríamos, ela vai passar e uma outra sensação tomará o seu lugar...
Não desisti, apenas a outra sensação ainda não chegou...
Se eu desistir, aí sim a dor ficará em mim para sempre.

a
Artigo que define o gênero...
Feminino.
A cor...
Rosa.
O sentimento...
Que para mim é saudade.

junho 11, 2012

hoje...


eu daria tudo para poder abraçar minha princesinha, beijá-la e desejar 
Feliz Aniversário...



Querida Theodora

te amo mais que tudo.

que Deus esteja com você e comigo...

saiba que eu vou esperar a minha vida toda pra te encontrar.

saudade...

muita saudade...

saudade enquanto eu viver...


Mamãe



junho 07, 2012

minha luz...

Ouve, Senhor, 
a minha voz quando clamo;
tem também piedade de mim,
e responde-me.


Não esconda de mim a tua face,
não me rejeites com ira...


tu fostes a minha ajuda,
não  me deixe,
nem me desampares,
ó Deus da minha salvação.


O Senhor é a minha luz,
e a minha salvação.


A quem temerei?


O Senhor é a força,
da minha vida.


De quem me recearei?


(Salmos 27)

janeiro 10, 2012

como poderei viver?


Daqui alguns minutos fará 7 meses que minha filha nasceu...
Sábado fez 5 meses que ela morreu...
Apesar de tudo que já vivi, sempre fui uma pessoa naturalmente alegre, sorridente e bem humorada, tirando o fato de que quando alguma coisa me tira do sério viro uma leoa, principalmente se for para defender alguém que amo.
Meu blog também nasceu prá ser assim, um reflexo de mim...
Um pouquinho de cor de rosa, outro de poesia, uma diquinha aqui, uma música ali...
Coisas organizadas, receitinhas, citações, orações, inspirações, idéias, reclamações e boca no trombone...
No momento, não sei nem explicar o que sinto ou no que me tornei.
Acho que meu blog também...
Tenho me esforçado para continuar a sorrir e viver tudo que a vida me reserva de bom.
Lá no fundo, apesar de ainda não entender bem o motivo de Deus ter permitido tudo isto, acredito que ele ainda tem o melhor reservado para mim.
Não há nada pior que me possa acontecer, além do que já aconteceu.
Coisas ruins até podem acontecer, mas só me farão cócegas perto da dor que sinto.
Da mesma forma que as coisas boas chegam a me alegrar, mas não plenamente...
É uma alegria triste.
Cada dia é um sentimento e uma surpresa.
Cada sorriso uma conquista.
Hoje sou uma mãe de braços e mãos vazias.
No fundo, sinto que ninguém quer falar sobre a minha filha, como se ela fosse uma coisa ruim.
Nunca foi, não é e nunca será.
Do mesmo jeito que muitos pais se orgulham em falar que o filho começou a andar, falar ou comer sozinho, eu me orgulho de ser mãe de uma pessoinha que lutou cada segundo de sua vida para ficar comigo. Tenho vontade e o direito de falar dela e de sentir falta de não poder viver com ela momentos de descobertas, de carinho e de felicidade.
O tempo vai passando e a desgraça vai se tornando real.
O que parecia apenas um pesadelo, não acaba quando eu acordo.
Talvez, Deus ainda me abençoe com outro bebê e eu serei muito grata por isto, mas nunca mais nesta vida, terei um sorriso inteiro no rosto ou na alma, pois falta um pedaço em mim.
Aquela outra que existia antes, que sorria a toa e que acreditava que no fim tudo ficava bem, descobriu que não é bem assim.
O que a vida me reserva eu não sei, mas não quero que este blog vire um muro de lamentações.
Este ano, tem muita coisa para acontecer, em breve vou me casar, ter minha casinha, minhas panelas e meus novos desafios. Tudo que sempre quis, vem agora num momento que não posso curtir plenamente. Mesmo assim, estou muito feliz com tudo de bom que tem acontecido e com as pessoas maravilhosas que tenho em minha vida.
Quanto ao blog, vou deixá-lo em stand by.
Sei que vou falar da Theodora por toda a minha vida, mas quero também ter vontade de falar de uma roupa bonita, de um corte de cabelo, de uma viagem, de cortinas, móveis, livros e momentos.
Quero voltar a ver sentido nas coisas...
Enquanto isto não acontece, ficarei aqui olhando para o céu a procura de uma estrela que tenha a coragem e o brilho da minha filha, cantarolando aquela músiquinha que eu cantava na escolinha: Como poderei viver? Como poderei viver? Sem a tua, sem a tua, sem a tua companhia...

Bjinhos
Lyz

P.S.: Continuem torcendo muito por mim... Obrigada!

dezembro 24, 2011

então...

John Lewis - The Long Wait from Blink on Vimeo.


o Natal chegou!
Vou sobreviver...
Desejo a todos muita paz, amor, saúde e momentos felizes.
Agradeço do fundo do coração todo carinho de vocês.
Beijinhos

Lyz Fatori

dezembro 14, 2011

saudades da minha estrelinha...



Sem vontade de nada, liguei o computador e fui passear lá nos pequenos guerreiros, um blog que me deu muita força e esperança, enquanto a Thetê estava no hospital. Como não conseguia dormir direito, passava a noite lendo e relendo as histórias de lutas, sucesso e de vitória dos prematuros ali narradas. Dizia para mim mesma que quando a Theodora saísse do hospital, escreveria meu depoimento para ajudar outras mães na mesma situação que eu. Infelizmente, meu primeiro contato com a Monica (autora do blog), não foi para contar uma história com final feliz...
Hoje quando passei por lá, vi que a Monica vai abrir espaço no blog toda última quarta-feira do mês para as “estrelinhas” e fiquei muito emocionada com a explicação que ela deu para o motivo do nome “estrelinha”, eu também já tinha lido e me emocionado com esta historinha numa época em que jamais imaginaria viver algo assim...
Mais emocionada eu fiquei, quando procurei no You tube e encontrei um vídeo da histórinha com a trilha sonora de uma das minhas músicas preferidas , a It will be me que a Melissa Ethridge, fez para o filme Irmão Urso II.
Depois disso tudo, eu tinha que me manifestar...
Tinha que gritar para todo mundo que eu não agüento de saudades da minha estrelinha, que eu estou tentando... Cada segundo, todos os dias, encontrar uma razão para recomeçar, fazer planos, respirar e viver...
Obrigada pelo carinho, pelas palavras, pelas orações e por todo amor de cada um de vocês.
Sinceramente,
Lyz

novembro 01, 2011

agora é...

“Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz...”

(Charles Chaplin)

outubro 07, 2011

não quero...


hoje:

não quero encontrar quem me diga que tudo ficará bem
não quero que me elogiem e que digam que estou com uma aparência boa
não quero que fiquem com dó de mim
não quero uma roupa ou um cabelo novo
não quero olhar minha cicatriz no espelho
não quero ficar em casa e nem quero trabalhar
não quero falar ao telefone
não quero ir em festas, velórios ou parques
não quero ver crianças brincando
não quero entender a vida nem o porquê de nada
não quero pensar em viagens ou escolher uma cortina
não quero cozinhar nem assistir televisão
não quero almoçar nem jantar
não quero ir ao médico nem fazer nenhum tratamento
não quero planejar nada nem fingir contentamento
não quero ter forças, nem quero lutar
não quero reagir a nada nem agir a favor de nada

não quero nada.
tudo que eu queria já foi e nada mais será capaz de me fazer feliz completamente...
(Lyz Fatori)

setembro 06, 2011

obrigada!


Escrever para mim é tão comum quanto fazer xixi ou escovar os dentes.
Sempre tenho caneta e papel por perto e quando não escrevo, rabisco.
Escrevo se estou feliz, se estou com raiva, se estou amando ou chorando. Quando estou muito triste, com vontade de morrer, a única coisa capaz de me fazer ter forças é escrever. Talvez seja uma terapia alternativa que desenvolvi, por conta de todos os abusos que sofri. Foi assim em vários momentos da minha vida e também assim quando vi minha filha morrer.
Tenho escrito muito nestes dias negros e sem sentido, mas nada que deva ser publicado.
Não sei o que fazer, nem por onde começar.
Tenho vontade de ficar em silêncio, no entanto me sinto em dívida com pessoas que tão docemente têm acalentado meus tristes dias. Pode parecer pouco, mas só quem já passou pelo que eu estou passando é que pode entender a diferença que faz receber um recadinho de quem a gente nem conhece, um abraço do vizinho, uma ligação de um amigo distante, a visita de uma pessoa querida, um presentinho de uma irmã, o carinho da mãe...
Na verdade, depois que se perde um filho as coisas perdem o sentido, porém estes pequenos gestos fazem com que a gente perceba que ainda está aqui e que a vida continua.
Nunca desisti, sempre fui destemida e enfrentei de cabeça erguida todas as batalhas que a vida me proporcionou, mesmo as que ainda não tiveram um desfecho. No entanto, nada se compara ao que me aconteceu.
Quando estava grávida, uma pessoa me perguntou o que eu queria que a Theodora tivesse igual a mim e eu respondi rapidamente que gostaria que ela tivesse a minha coragem. Coincidência ou não, ela foi corajosa e destemida durante cada segundo dos 57 dias em que viveu e por este motivo, não posso deixar de sê-lo agora.
São muitas emoções, muitas questões e muitas lágrimas.
Amanhã fará um mês que vivi o pior momento da minha vida e que sobrevivi ao meu maior medo.
Sou uma mãe com um buraco no peito, que ainda tem leite, que ainda precisa perder cinco quilos, que ainda não digeriu o que aconteceu, que ainda olha para o quarto vazio de sonhos, de móveis, de fraldas sujas, de brinquedos e de vida sem entender nada.
Sou uma mulher com saudade daquilo que é mais sagrado, daquilo que não pode viver e nem dar.
Espero lá no fundo da minha alma, que ela tenha podido sentir de alguma forma, o quanto a desejei e o quanto a amei, amo e amarei.
Só não me mato porque sei que não a encontrarei.
Por enquanto continuo aqui tentando sobreviver.
Obrigada pelo carinho, orações, energias positivas, palavras, enfim, obrigada a cada um de vocês que de alguma forma se faz presente neste momento tão difícil.
Minha casinha está bagunçada, o leite derramou no fogão e não tenho bolo quentinho para oferecer, mesmo assim é muito bom receber você aqui.
Bjinhos
Lyz